Fundo de reserva necessita de organização

Dificilmente se encontra um condomínio que não conte com fundo de reserva, visto a sua finalidade de cobrir despesas emergenciais e de juntar recursos para viabilizar amplas reformas no espaço comum. Até porque não são todos os moradores que dispõem de dinheiro no bolso a qualquer momento em que um elevador pifa ou estoura um cano. Para que seja mantida sua função original e não fique atrelado a outros tipos de gastos, a organização é muito importante.

A arrecadação do fundo de reserva fica a critério do condomínio. É importante que a forma esteja regulamentada diante das regras do edifício como aponta o Código Civil no seu artigo 1334 a convenção determinará a “quota proporcional e o modo de pagamento das contribuições dos condôminos para atender às despesas ordinárias e extraordinárias do condomínio”. Geralmente o valor está estipulado por porcentagem e atrelado às despesas ordinárias. A maioria fixa o valor em 10% da taxa condominial. Mas “existem alguns que estipulam uma contribuição mensal fixa para fundo de reserva”. O mais conveniente para o caixa do prédio é repor o valor após ser utilizado, mas “na assembléia em que for definida a utilização, os condôminos irão decidir pela reposição ou não”, acrescenta.